poeta pseudo-moderno

fumo um cigarro porque a sua essência é etérea como o fumo.
travo em álcool pois, como sabes, a vida é acre como vodka.
deito-me no cansaço e espero pelo próximo dia,
esqueço-me das palavras porque a vida é efémera com os anos.
e enfim...
desce o dia,
a lua já la vem
a noite é longa
o teu nome ainda não o sei.
é certo que tudo vai começar,
certo será tudo já acabar,
em certeza tudo volta,
finda, cessa...
é certo que tudo vai começar,
na horizontal te vejo,
por certo será me apaixonar, por ti
anjo, pétala
adormeço em meu sono de ressaca,
e de manhã já não estás.

2 comentários:

Maga disse...

Belo sob o espectáculo do nú.. Muito bonito.. mesmo muito..

rascunho disse...

por acaso escrevi isto a gozar. mas ainda bem que gostas. :)