carta para a solidão

Hoje apeteceu-me escrever-te uma carta.
Soubesse a tua morada e recebias ainda hoje o que tanto tenho para dizer-te.
Tenho o teu isqueiro vermelho e os teus cabelos pelo chão.
Deixei de fumar e o aspirador avariou.
Tenho o teu umbigo presente na minha cama e não sei como o tirar dali. Todos os dias cresce e sinto-me a afundar.
A última vez que ejaculei foi por tua causa.
Os meus pés continuam frios. E a senhora do café continua a achar que somos parentes próximos.
Tenho tomado banho todos os dias, mas quando olho para baixo reparo que os meus pés são os teus pés.
O teu rímel continua em todas as almofadas e o carteiro pela manhã, quando me trouxe uma encomenda, deve ter achado que pintava os olhos.
Tenho verniz cravado nas costas.
Cada pêlo da minha barba tem um beijo teu. E eu nunca uso gilletes.
Salivo a tua saliva.
Quando tenho saudades tuas cheiro os dedos.
Há um mamilo teu que está cravado entre os meus dentes.
Ontem queimei todos os negativos, todos os frames, todos os rolos onde apareces e pela manhã de hoje todos eles estavam intactos. Percebi que foi um sonho.
No quarto, pela noite, despes-te. Quando acordo a roupa já lá não está.
Hoje apeteceu-me escrever-te uma carta.
Para que viesses buscar o que deixaste.

7 comentários:

Maria disse...

wow, que bonito, a sério.

pedrodamião disse...

obrigado, Maria!

Inês disse...

que belo.

pedrodamião disse...

obrigado, Inês! :)

Orquídea disse...

também deixei de fumar... Bonito o texto, e sentido. Um Beijo

pedrodamião disse...

obrigado, Orquídea. pela visita e por ter gostado.

Aurora disse...

encantada, da vontade de ler várias vezes.