AMORES DE VERÃO ou O CALOR DE AGOSTO

tudo aconteceu como uma paixoneta de Agosto.
apenas mudo o mês.
são daquelas paixões... desejos à flor da pele... mas que ficam apenas à flor da pele.
que não precisam entrar carne adentro e fazer doer mais tarde.
daquelas paixões que basta ver-nos uma ou duas vezes e à terceira estamos a trocar fluidos e areia. caso o amor de verão aconteça na praia.
daquelas paixões que ao quarto dia já andamos de mãos dadas e que no último dia de férias as mãos tendem a separar-se tão facilmente como quando foram juntas.
daquelas paixões que não se fala. não se pensa. não se contam histórias sobre a nossa vida. não se fazem perguntas.
não se discute porque sabemos que nada mais passa dali.
daquelas paixões que não se respira fundo, mas que se dá a última queca e o último beijo no último dia. como se esse último dia fosse o mais importante. e era. e será sempre.
como se a recordássemos para sempre mesmo sem sabermos o seu nome. ou o nome verdadeiro.
daquelas paixões em que precisamos fazer o buraquinho na areia quando nos deitamos de barriga para baixo na toalha, mas que o coração permanece no mesmo sítio.
daquelas paixões em que tiramos fotografias digitais, descarregamos para o computador e nunca mais as vemos e elas nunca serão impressas e colocadas num álbum de recordações.
daquelas paixões em que chegamos aos quarenta, e quando olhamos para trás só as queremos esquecer porque em nada nos mudou.
daquelas paixões que em dia de sol a água está bastante fria e nos custa entrar na água, mas atiramo-nos mar adentro só porque queremos impressionar.
daquelas paixões que em noites de calor ou frio, juntos no paredão escuro, enquanto se come um gelado, é apenas e só o gelado que se derrete.
daquelas paixões de verão, combinadas apenas enquanto existir e findar o calor de Agosto.

eu nunca tive nada disto.
e por incrível que pareça sinto que tu e eu em nada éramos assim.

(kodak portra 160nc + dianaf+)

4 comentários:

Rita Laranja disse...

aah, essas paixões, as de agosto, são tão mais fáceis. Tão mais leves, tão mais simples. E no fim, incrível como o coração permanece igual.
Mas não, não é isso que nos faz mover.
Também nunca as tive.

pedrodamião disse...

deviam ser todas assim, mesmo aquelas que nos movem. infelizmente a minha cabeça é complicada demais, seja para as de verão, seja para as de "inverno". :)

Maria disse...

por acaso nunca tive uma coisa de verão, mas suponho que seja algo mais simples.
A foto está linda.

pedrodamião disse...

eu acredito que seja. pelo que me contam, parece que sim. obrigado. :)